China agora exige exames de rosto de qualquer pessoa que se inscreva nos planos para dispositivos móveis.

A China agora exige exames de rosto de qualquer pessoa que se inscreva nos planos para dispositivos móveis.

Nosso rosto é a parte mais reveladora e reveladora do nosso corpo, e é por isso que é o foco de muitos sistemas de segurança. É, no entanto, também o centro da controvérsia quando se trata de questões de privacidade. O reconhecimento de rosto pode ser uma ferramenta conveniente e poderosa quando usado corretamente, mas também pode ser uma arma perigosa, dependendo de quem o maneja. Essa pode ser uma das preocupações até entre os cidadãos da China, agora que seu governo exige que eles enviem exames de rosto quando eles estão simplesmente tentando obter uma nova linha telefônica.

 A nova lei da China, que entrou em vigor em 1º de dezembro, vai além do que alguns considerariam normal para solicitar planos de celular ou comprar um SIM. Além de apresentar as credenciais usuais, como uma identificação nacional, neste caso, agora é necessário que os consumidores chineses também tirem suas fotos. Na superfície, isso será usado para verificar eventualmente a identidade do comprador, mas esse não é seu único objetivo.

 Como a China não possuía essa regra antes, essa nova lei ajudaria o governo a aumentar seu banco de dados existente para reconhecimento facial. Já existem serviços financeiros que usam o reconhecimento facial como um recurso de segurança, mas isso assume um sabor diferente quando não está sendo usado pelo usuário móvel para qualquer finalidade.

 Naturalmente, há preocupações de que o governo chinês possa adquirir esses dados para sua rede de vigilância. Considerando quantas pessoas possuem telefones e linhas telefônicas atualmente, isso representará um grande número de cidadãos da China. Alguns já estão preocupados sobre como isso pode afetar os usuários das redes de mídia social e isso sempre foi um grande alvo das autoridades da China. Slash Gear

 Embora essa lei nunca decida em outros países, pelo menos ainda não, ela revela como o reconhecimento facial está se tornando a próxima grande arena para as guerras pela privacidade. Alguns governos podem nem precisar exigir que as pessoas enviem seus rostos, já que um bom número está disposto a entregar esse tipo de dados em troca de fazê-los parecer mais velhos ou mais jovens, pelo menos virtualmente.

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.