Apple: Coronavirus causará falta de iPhone e falta de orientação no Q2

Apple: Coronavirus causará falta de iPhone e falta de orientação no Q2

Apple: Coronavirus causará falta de iPhone e falta de orientação no Q2


A Apple alertou que o coronavírus causará escassez de iPhone e provavelmente fará com que a empresa perca suas diretrizes de receita no trimestre de março, além de confirmar que aumentará significativamente suas doações para ajudar a combater o surto de COVID-19. A disseminação da doença respiratória - e as tentativas de reduzi-la - forçaram muitas instalações na China a estender suas férias de Ano Novo Chinês, deixando as linhas de produção inativas.

 Analistas alertaram que o tempo de inatividade pode afetar alguns nomes conhecidos no mundo da tecnologia, e que o pessimismo parece ter sido bem colocado. A Apple está entre as primeiras a confirmar que o coronavírus realmente afetará a proximidade com a orientação anterior do investidor.

 "Nossa orientação trimestral emitida em 28 de janeiro de 2020 refletia as melhores informações disponíveis na época, bem como nossas melhores estimativas sobre o ritmo de retorno ao trabalho após o final do feriado prolongado do Ano Novo Chinês em 10 de fevereiro", disse a empresa de Cupertino. em uma declaração hoje. “O trabalho está começando a ser retomado em todo o país, mas estamos experimentando um retorno mais lento às condições normais do que havíamos previsto. Como resultado, não esperamos cumprir a orientação de receita que fornecemos para o trimestre de março devido a dois fatores principais. ”

 O primeiro desses fatores é a escassez de suprimentos para iPhone em todo o mundo, alerta a Apple. A realidade é que, embora os sites parceiros da Apple, onde a fabricação do iPhone ocorra, estejam todos fora da província de Hubei e tenham realmente reaberto, "eles estão aumentando mais lentamente do que havíamos previsto", explicou. "A escassez de suprimentos do iPhone afetará temporariamente as receitas em todo o mundo".


 Enquanto isso, a demanda por produtos da Apple na China também foi afetada pelo COVID-19. "Todas as nossas lojas na China e muitas de nossas lojas parceiras foram fechadas", diz a Apple. "Além disso, as lojas abertas estão operando em horário reduzido e com tráfego de clientes muito baixo".

 O impacto será temporário, diz a Apple, e deixa claro que a demanda fora da China está alinhada com as expectativas anteriores. Diante da crise da saúde, a Apple diz que está "mais do que duplicando nossa doação anunciada anteriormente" à resposta da saúde pública ao coronavírus. "A saúde e o bem-estar de todas as pessoas que ajudam a tornar esses produtos possíveis são a nossa principal prioridade", acrescenta, "e estamos trabalhando em estreita consulta com nossos fornecedores e especialistas em saúde pública à medida que essa rampa continua".

 Em janeiro de 2020, a Apple havia orientado receitas entre US $ 63 bilhões e US $ 67 bilhões para o segundo trimestre fiscal de 2020. A margem bruta, segundo a empresa, provavelmente cairá entre 38 e 39 por cento, enquanto as despesas operacionais ficarão entre US $ 9,6 bilhões e US $ 9,7 bilhões.

 "A situação está evoluindo e forneceremos mais informações durante a nossa próxima chamada de ganhos em abril", afirmou a Apple hoje. “A Apple é fundamentalmente forte e essa interrupção em nossos negócios é apenas temporária. Nossa primeira prioridade - agora e sempre - é a saúde e a segurança de nossos funcionários, parceiros da cadeia de suprimentos, clientes e comunidades em que operamos. Nossa profunda gratidão está com os que estão na linha de frente do confronto com essa emergência de saúde pública. ”

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.